Compreender melhor o bullying, identificar os seus diferentes tipos e estar consciente das suas consequecirc;ncias é fundamental para o detetar. O bullying é um tipo de comportamento agressivo que pode ser executado de forma verbal, física, social, entre outros. É caraterizado por atos voluntários, repetidos ao longo do tempo e sem motivação evidente.



Tipos de bullying

A violência pode ser direta, de forma física ou verbal, através de insultos ou comentários depreciativos contra a pessoa e/ou família. Existem também formas indiretas de bullying, como o abuso psicológico, que podem levar ao isolamento social, através de difamação e humilhação. 




  • Físico: envolve violência física, como agredir, amarrar, empurrar, cuspir, roubar dinheiro ou outros bens pessoais, rasgar roupa ou estragar objetos;

  • Sexual: pode implicar insultar ou fazer comentários de natureza sexual e obrigar à prática de atos de índole sexual;

  • Verbal: pode passar por chamar nomes, gritar, ameaçar, gozar e fazer comentários negativos ou humilhantes;

  • Social: deixar a pessoa de fora em trabalhos de grupos e/ou jogos, inventar mentiras ou espalhar rumores, boatos ou comentários negativos ou humilhantes;

  • Cyberbullying: com o uso das novas tecnologias e da internet, tornou-se um dos tipos de bullying mais recorrente. Carateriza-se pela utilização de chats, redes sociais e blogues para espalhar informação falsa, assediar/perseguir, incomodar e insultar;

  • Homofóbico: é motivado pelo preconceito face à orientação sexual (por exemplo, homossexualidade) ou identidade de género da vítima (por exemplo, transexualidade) e pode envolver revelar a terceiros segredos acerca da sua sexualidade da vítima.



Geralmente o bullying é praticado em escolas. A violência pode passar despercebida e por isso é importante saber ler os sinais. 



Existem algumas alterações na forma de ser ou até a nível físico que podem indicar se o seu filho está a ser vítima de bullying, tais como:




  • Medo de ir à escola e fazer de tudo para faltar (por exemplo, fingir que está doente);

  • Descer as notas escolares;

  • Afastar-se dos amigos;

  • Perder vontade de fazer coisas que adora, como andar de bicicleta;

  • Dificuldade em adormecer, acordar durante a noite e ter pesadelos frequentes;

  • Perda de apetite;


  • Dores de barriga, enjoos, tonturas;

  • Dores de cabeça;

  • Suores;

  • Batimento cardíaco acelerado.



  • Embora o bullying seja mais frequentemente em escolas, também pode acontecer noutros locais (trabalho, com vizinhos, em contexto militar, etc).

    Existem alguns fatores que podem aumentar a probabilidade de ser vítima de bullying. Muitas vezes, a vítima tem alguma característica que a torna mais frágil (ser insegura, calada, isolada, usar óculos, ser mais baixa ou mais alta, vestir-se de maneira diferente, ter ansiedade, medos ou fobias).



    É comum as vítimas terem vergonha de contar o que se está a passar, por várias razões: 




    • Receio de retaliações do agressor;

    • Acharem que ninguém vai acreditar no que estão a dizer;

    • Sentirem-se fracas ou “queixinhas” por pedir ajuda.



    Este tipo de violência pode ter repercussões severas a nível de autoestima, problemas psicológicos, depressão, atos de automutilação ou poderá conduzir o jovem a cometer suicídio. São frequentes os problemas de relacionamento e de competências sociais, podendo desenvolver-se comportamentos de adição, como o abuso de drogas e de álcool. Pela ansiedade gerada, a crianças pode apresentar vários sintomas físicos, principalmente a nível alimentar e do sono.



    Como atuar em caso de bullying?



    Se sofre de bullying deve contar a um amigo ou colega da sua confiança. A melhor forma de um amigo ajudar uma vítima é apoiando e incentivando a pessoa a contar a alguém (pais, professores ou outros). Se presenciar ou tiver conhecimento de uma situação deste tipo também deve denunciar.

    Em termos de intervenção é feita a de carácter integrativo e compreensivo, onde devem estar envolvidos a(s) vítima(s), o(s) agressor(es), os pais/figuras parentais e os educadores/professores. Neste âmbito, deve-se trabalhar numa perspetiva não só de intervenção como também, e fundamentalmente, de prevenção. 

    Quer a vítima, quer o agressor devem ter apoio psicológico.



    Partilhe esta notícia

    Notícias e artigos

    ';
    Compreender o bullying

    Compreender melhor o bullying, identificar os seus diferentes tipos e estar consciente das suas consequecirc;ncias é fundamental para o...

    6 mitos sobre alimentação infantil

    O iogurte é uma sobremesa saudável Dar o iogurte como sobremesa continua a ser um dos grandes mitos da alimentação...

    9 sinais de que poderá estar a sofrer de burnout

    A palavra “Burnout” de origem inglesa significa “queimar até ao fim”, é um esgotamento físico e mental...

    Síndrome das pernas inquietas: O que é, sintomas e tratamento

    A síndrome das pernas inquietas é definida como uma sensação desconfortável nas pernas, nos braços ou em...

    Dr. Paulo Borges é o novo Coordenador do Serviço de Consulta Aberta

    Licenciado em Medicina no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, e com uma vasta experiência em coordenação...

    O uso excessivo de ecrãs e as estratégias para reduzir a sua utilização

    Com a tecnologia cada vez mais acessível nos dias de hoje, o uso excessivo de ecrãs pelas crianças é cada vez mais comum...

    Exames de TAC no Hospital António Lopes

    Sabia que já pode fazer exames de TAC, no Hospital António Lopes?  Quer através do P1, pelo médico de...

    Apoio no Pré e Pós Parto

    A gravidez é um momento muito importante na vida da mulher e que faz com que esta tenha imensas alterações a todos os...

    Workshop: Como lidar com as birras do meu filho?

    Birras com o seu filho? No próximo dia 28 de novembro, pelas 18h30, no CIMF - Centro Interpretativo de Maria da Fonte, um Workshop,...

    Sessões de Pilates clínico no Hospital António Lopes

    Se sofre de: hérnia de disco (lombar e cervical); artroses (coluna, joelho e quadril); lombalgias; cervicalgias; fibromialgia; desvios...

    Proteção de dados

    Li e aceito os Termos de Utilização e Política de Privacidade

    Este campo é obrigatório.

    Declaro expressamente prestar o meu consentimento para que os meus dados pessoais sejam utilizados com a finalidade de comunicação/marketing, via email e via sms, nomeadamente para receber newsletters, informação sobre campanhas, produtos, serviços e códigos de promoção.

    Declaro expressamente prestar o meu consentimento para que os meus dados pessoais sejam utilizados com a finalidade de marcação de consulta/exame e posterior contacto para agendamento do pedido aqui solicitado.

    Este campo é obrigatório.

    Caso tenha alguma questão sobre a nossa política de privacidade ou sobre a forma como a Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso recolhe e trata os seus dados pessoais, bem como exercer os demais direitos previstos no Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) poderá entrar em contacto através do número de telefone 253 639 030, do email dpo@scmpl.pt ou de carta dirigida ao Encarregado de Proteção de Dados para Santa Casa da Misericórdia da Póvoa de Lanhoso, Rua da Misericórdia 141, Apartado 143, 4830-503 Póvoa de Lanhoso